Prémios Meios & Publicidade 2019

20 de Setembro - 17ª edição

Faltam

Votações abertas!

É preciso ser assinante Premium Meios & Publicidade ou estar escrito na nossa newsletter para votar.

Votação encerrada

O resultado será publicado no dia xx/xx.

Prémios

Estão escolhidos os nomeados para a 17ª edição do Prémios M&P. No total são 89 projectos, empresas e personalidades, repartidos por 27 categorias.

Como habitualmente a escolha dos nomeados é da redacção, mas os vencedores são escolhidos pelos leitores. Os resultados são obtidos a partir de uma média ponderada na qual o voto dos jurados (cujos nomes serão revelados após o final da votação) tem um peso de 45 por cento, tal como o voto dos assinantes (papel mais conteúdos M&P Plus). O voto dos subscritores da newsletter diária representa 10 por cento. A votação decorre até às 17h de dia 14 de Setembro.

Os vencedores vão ser conhecidos a 20 de Setembro, a partir da 22h00, no Altice Arena, data em que vamos juntar todo o mercado para a grande festa anual do sector. A entrega de prémios será antecedida por um cocktail que terá início às 21h.

Confira os melhores momentos da edição anterior do evento:

Regulamento

Escolha dos nomeados

Os nomeados foram escolhidos pela redacção do Meios & Publicidade. Os critérios foram quantitativos (APCT, Bareme, Netscope/NetAudience, MediaMonitor, relatórios e contas, índices de notoriedade, etc.) e qualitativos (conquistas ao logo do ano, criatividade, inovação, prémios, relevância para o mercado, etc.). Para além desta informação, analisámos os textos publicados de Agosto de 2017 a Julho de 2018.

Votação

A escolha dos vencedores resulta de uma média ponderada dos votos dos assinantes da edição em papel do Meios & Publicidade (assinatura M&P Plus), de um conjunto de profissionais e dos subscritores das Notícias do Dia. O júri, que será divulgado após o final da votação, terá um peso de 45 por cento, a mesma fatia que está reservada aos assinantes do M&P Plus. Os subscritores que apenas podem aceder às notícias abertas contribuem com os restantes 10 por cento para a média que ditará os vencedores. A votação decorre até às 17h do dia 14 de Setembro. Quem assinar o M&P durante o período de votação só poderá exercer esse direito no próximo ano.

Nomeados

Agência Criativa Agência de Meios Produtora de Publicidade Empresa de Publicidade Out-of-Home Agência de Design Agência de Comunicação Agência de Eventos e Activação Marca do ano
Agência Criativa

BAR Ogilvy

Ganhou a conta da TAP e da cadeia de distribuição Auchan. Venceu o pitch internacional para o desenvolvimento de um content studio para a Nestlé, com criatividade a chegar a 39 países. No primeiro semestre de 2019 ocupou a quinta posição no ranking MediaMonitor das agências criativas (um posto acima do total de 2018).

Fuel

Agência do Ano nos Prémios Eficácia e agência líder do ranking MediaMonitor 2018 – está no segundo posto no período Janeiro-Junho de 2019. Na lista de novos clientes constam CP, Sporting, Universidade Europeia (incluindo IADE e IPAM), Vasenol (Unilever), Compara Já, Yes Diet, Yåmmi, ZU e Finlog. Nos últimos meses a Fuel assistiu a várias mudanças, com Susana Coerver a ser contratada como CEO e João Silva (ex-Y&R) a assumir a direcção criativa do Continente.

FunnyHow

Tornou-se na principal agência criativa da Sociedade Central de Cervejas, acumulando as várias vertentes da conta da Sagres (above e below the line, digital, trade, Zero, Cascade e primeira campanha da marca na China). Desenvolveu o rebranding da Bohemia e o lançamento da cerveja Trindade. Criou uma estratégia global de relações públicas para a Bandida do Pomar do Heineken Group Amsterdam. Ganhou Corpos Danone e digital da Durex e da Veet. Criou a campanha da Bial sobre Parkinson para vários países europeus. No primeiro semestre de 2019 situou-se na 35ª posição do ranking MediaMonitor.

Havas

Voltou a ganhar em concurso a conta da marca de seguros Ageas e conquistou a conta de publicidade da Galp, a par da área de consumer finance da marca Bankinter. Venceu o concurso da NOS para o desenvolvimento de todas as estruturas do recinto do festival NOS Alive 2019. Terminou o primeiro semestre de 2019 a liderar o ranking MediaMonitor, quando em 2018 tinha fechado o ano no segundo posto.

O Escritório

É a maior agência nacional independente de alinhamentos internacionais. Passou a trabalhar Sumol, Mateus Rosé, as clínicas Mimed e o Abanca, banco galego que comprou a operação do Deutsche Bank em Portugal. No festival do Clube de Criativos ganhou o grande prémio, com a campanha Eu É Que Descobri, para o Lidl. A campanha Sócio Família para o Benfica teve impacto internacional ao colocar como protagonistas os vários tipos de família, para além da tradicional. No MediaMonitor fechou 2018 na 11ª posição e ficando no primeiro semestre de 2019 no 12º lugar. Os Prémios Marketing M&P e os Prémios Comunicação M&P consagraram o projecto #LevaPortugalaPeito, para a Galp, como o melhor a concurso.

Partners

A agência passou a integrar o grupo multinacional Dentsu Aegis Network. Terminou 2018 na quinta posição do ranking MediaMonitor, enquanto no primeiro semestre de 2019 se situou no sexto posto. Agência do Ano no Clube de Criativos, nos Prémios Sapo, nos Prémios M&P Marketing e nos Prémios M&P Criatividade. Can’t Skip Portugal campanha do ano nos Prémios Sapo. Onda em Times Square, para o Turismo de Portugal, eleito melhor projecto dos Prémios Criatividade M&P, tendo sido finalista em Cannes. Voltou a ganhar a conta do Turismo de Portugal com um contrato de 2,5 milhões de euros. Conquistou em concurso a conta da Salsa e assinou o lançamento do Canal 11.

Uzina

Começou a trabalhar localmente para a Samsung Mobile, com campanhas como o Penedo Coworking e A Fotografia de 943kms. Nos novos clientes constam também a Parfois, com trabalho para mais de 60 países, a conta da One (relógios e jóias), A Padaria Portuguesa e as marcas próprias da Worten (Becken e Goodies). Assinou o rebranding e a comunicação do shopping Intu Xanadu (Espanha). Ocupa a 20ª posição no ranking MediaMonitor referente aos seis primeiros meses do ano – duas posições acima do total de 2018.

Agência de Meios

Arena

Eleita Agência do Ano nos Prémios Eficácia e nos Prémios Marketing M&P. Reforçou o portefólio com entrada das contas da Dott, Universidade Europeia, Delta Cafés, Sporting Clube de Portugal, Puma, Unicre, Affinity, Skinerie, Pump, ADENE, Epoch, Boutique dos Relógios e Sidefarma. O cliente Continente terminou 2018 como líder no ranking acumulado do tracking genérico de recordação publicitária. Situa-se na quarta posição do MediaMonitor (total 2018 e primeiro semestre deste ano).

Carat

Reteve as contas da Coca-Cola (concurso ibérico) e Mondelez (concurso internacional) e ganhou as marcas Upfield, Accor, Tesa, Dr. Oetker, Quironsalud, Besttables e Husqvarna. Criou o programa Cabelo Pantene, O Sonho transmitido em prime-time na TVI e amplificado em diversas plataformas digitais. Terminou o ano de 2018 na quinta posição do ranking MediaMonitor mas subiu ao terceiro posto no período Janeiro-Junho de 2019.

Nova Expressão

Entre os novos clientes encontram-se a Associação de Produtores de Carne de Coelho, JLL Portugal, Netinvoice, Sociedade Ponto Verde, Vaillant, eDreams, Flama, Fado Food Festival e Toys r Us. Bons resultados na contratação pública ao ficar com campanhas da Autoridade Nacional de Protecção Civil, ISEG, Turismo do Centro, Autoridade Nacional da Segurança Rodoviária, Associação de Promoção da Madeira, entre outras. Lançou a Local Planet Portugal, onde divide sociedade com a Local Planet Media International. Maior agência de meios nacional, ficando na 13ª posição do MediaMonitor.

OMD

Liderou o ranking MediaMonitor no total de 2018 e encontra-se na segunda posição no período Janeiro-Junho de 2019. No ano passado foi também a agência de meios que mais se destacou no investimento nos suportes digitais.

Wavemaker

Segurou o cliente Seguradoras Unidas em concurso e ganhou Foreo, 888 e Compara Já. Maria João Oliveira passou a dirigir a agência, com o apoio de José Pedro Dias Pinheiro, em Janeiro de 2019, após a saída de José Manuel Cardoso. Eleita melhor Agência de Meios Digital do Ano nos Prémios Sapo. Fechou o ano no segundo posto no ranking MediaMonitor e ocupa o primeiro lugar no mesmo ranking entre Janeiro e Junho de 2019.

Produtora de Publicidade

Garage

Produziu a campanha É Tempo de Mudar da Galp, a do centenário do Azeite Gallo e a do lançamento do Canal 11. Foi também responsável pelas campanhas do Sporting, Vodafone Business, BPI Family, Santander Crédito pessoal, Novo Banco Institucional, Vodafone Dia da Mãe e Banco Económico para Angola.

Grumpy Panda

Além de campanhas para EDP, Continente, Credibom, Vigor e Greenpeace, a Grumpy Panda produziu a campanha Eu É Que Descobri, do Lidl, com realização de Pedro Varela, e que obteve grande prémio no Clube de Criativos de Portugal.

Krypton

Produtora de Publicidade do Ano no Clube de Criativos de Portugal. Tem-se destacado pelas campanhas para a Vodafone, desde a das madrastas do Natal até às protagonizadas pela dupla Diogo Valsassina e Ana Guiomar. Produziu para marcas como Worten, Sociedade Ponto Verde, Sagres, CUF Descobertas, Continente e Licor Beirão, a par da campanha governamental Portugal Chama. O vídeo de lançamento do Madame X, de Madonna, teve produção da área de service, a Krypton International.

Ministério dos Filmes

Produziu Caixinha Mágica, o filme de Natal da NOS, com realização de Marco Martins e a banda sonora de Nuno Maló. Assumiu também o filme de Natal da Meo, a par das campanhas com CR7 e Neymar Jr. também para a Meo. Produziu os 25 Anos de Inspiração da Super Bock e o filme com Ana Bacalhau e Samuel Úria para a NOS. Já fora da publicidade, a série Sara, exibida pela RTP2, foi considerada a melhor na sua categoria nos Prémios Autores 2019 e no Prémio Sophia 2019.

Playground

Produção da campanha Energia Solar EDP, do filme Federação Portuguesa de Futsal (Feminino) e do Chegou o Abanca. Destaque para o filme One Big Family, para a Zippy, realizado por Cristiana Miranda, gravado em Londres e com a participação de crianças de 49 países.

Show Off

Assinou campanhas para clientes como NOS, Garnier, Compal, Ageas, Continente, Worten, Lidl Benfica, Jumbo, Wook, Santander, Neopop, Pedras Sabores, Izidoro, Guloso, Ikea e Xau. Produziu a campanha Portugal The Summer, para o Turismo de Portugal, composta por cinco filmes e que tinha como alvo 21 países, tendo sido realizada por Bruno Ferreira.

Empresa de Publicidade Out-of-Home

dreamMedia

Continua a reforçar a cobertura nacional, tendo nos últimos meses ganho concessões na Figueira da Foz (outdoors 8x3 e 4x3), Aveiro (100 suportes), Guarda (32 suportes), Azeitão (8×3m) e Vizela (abrigos, mupis e outdoors).

JCDecaux

Líder destacada no MediaMonitor na área de outdoor, representando, a preços de tabela, um investimento de 179 milhões de euros. Continua a aguardar pelo desfecho dos recursos do concurso de publicidade exterior de Lisboa, cujo júri a considerou vencedora.

MOP

Segunda maior empresa da área, de acordo com o MediaMonitor, que coloca a MOP com uma presença, a preços de tabela, de 73 milhões de euros.

Agência de Design

This is Pacifica

Agência do Ano na categoria de Design no Clube de Criativos, tendo sido a única agência premiada com ouro na categoria graças ao livro RailRoad desenvolvido para a Von Rupp Media (o anunciante do ano), ao Brand Book da Zippy e ao packaging do Oliveira Azul. Destaque também para a primeira campanha global da Zippy, que nasceu da colaboração entre a This is Pacifica e a Stream and Tough Guy, a nova agência de publicidade de João Ribeiro e Miguel Durão, e para os projectos de identidade do NOS Alive e da Surforma (ex-Sonae Indústria de Revestimentos).

Solid Dogma

Vencedora do título de Agência do Ano nos Prémios Design M&P graças a projectos para Festival Iminente (grande prémio), Coruja, DJ Glue, Vhils, Festival Vivarium ou MAAT. Assinou ainda a campanha de reposicionamento da EDP e do lançamento da nova identidade da Neotalent e do projecto Seat Art Cities.

Unlock

Mais de metade da facturação do ano passado corresponde a trabalho produzido para fora do país. Tem em carteira projectos internacionais que só serão lançados publicamente nos próximos meses, como é o caso de um grande evento e o rebranding de um clube de futebol europeu da primeira divisão. Assinou o look & feel da nova sede e da flagship store do Moza Banco. Tem também desenvolvido vários projectos de branding para a FIFA, a par do rebranding e projecto 360º da cadeia de Hotéis Savoy e da Izidoro.

VMLY&R Branding

Assinou o rebranding das marcas Abreu Advogados e .PT (organismo responsável pelo registo de domínios em .pt), o projecto de design da Clínica Médis (na sequência do rebranding) e a marca e design de ambientes da 4ª Conferência de Ministros do Emprego e Trabalho da União para o Mediterrâneo. Fora de portas, decorreu o lançamento oficial da marca e troféu UEFA Nations League, o projecto de licensing de produtos oficiais para o FIBA World Cup China 2019 e o projecto de responsabilidade social FIFA Guardians.

Agência de Comunicação

Adagietto

Tem-se destacado pelo new business ao ganhar Ikea, Freeport, BMW, Gallo, Havaianas, Médis, LACS, Sonae (Bio & Saudável, Baga, Zu, Dr Well’s), The Oitavos Hotel, Schréder Hyperion, Way Beyond, Park International School, GS1, Ferbar (digital) e SunQuick. O CEO Miguel Moreira Rato comprou a maioria do capital da agência. A Adagietto adquiriu a produtora de vídeo Luneta.

Hill+Knowlton Strategies

Passou a trabalhar clientes como Auchan, Imprensa Nacional Casa da Moeda, The Fork, Dyrup, Venus (P&G), Nespresso, Christina, Tofa, Buondi, Dulce Gusto, Sical, Nescafe, Kopke, Burmester, Cálem, ESC Online ou Verisure (ex-Securitas). A Huawei renovou o contrato em pitch. Renovação da equipa com entrada de 13 novas pessoas, incluindo o ex-director-geral da GCI, Luís Garcez.

Lift Consulting

Voltou a representar o Reputation Institute, que permitiu apresentar os resultados do estudo de reputação RepTrack em Portugal. Novos clientes como Nobre, Worten, Nestlé (corporate e várias áreas de produto), WeDo e Inosat. Destaque para a assessoria da Eleven Sports nos últimos meses, comunicação do prémio Navigator Art on Paper, da Feira do Livro de Lisboa, do evento Worten Game City, da campanha do grupo Os Mosqueteiros para angariação de fundos para aquisição de equipamentos para os bombeiros e dos projectos para a L’Oréal Beleza Para Todos e Cristina Ferreira como embaixadora.

LLYC

39 novos clientes (15 fees e 24 projectos). Entre os projectos desenvolvidos para os clientes contam-se a inauguração das primeiras lojas da Mercadona, com elevada cobertura mediática, as aquisições do Deutsche Bank pelo Abanca, da SIVA pela Porsche Holding Salzburg e da fusão da Sonae Sierra Brasil com a Aliansce. Lançamento da Hive e da sua parceria com a Lisboa Viva e posicionamento da Dove no tema do microbioma e beleza real. Assumiu a comunicação da Media Capital.

M Public Relations

Começou a trabalhar a comunicação da Fertagus, Brisa, eBay, Finerge, a Janssen da Johnsson & Johnsson, a Ferbar e os hotéis da marca PortoBay e o Cascade. Foi a agência responsável pela comunicação da venda pela Fundação Calouste Gulbenkian, da Partex, que foi, pelo montante envolvido, o maior negócio do ano feito em Portugal até ao momento.

Agência de Eventos e Activação

Big Fish

Para a Vodafone desenvolveu a activação da marca no festival Vodafone Paredes de Coura, da Yorn no Comic Con Lisboa, a par do conceito e comunicação dos Prémios Vodafone Play e do lançamento da HBO. Para a Worten implementou a Convenção de Colaboradores 2018 e espaço da marca no evento Worten Lisboa Games Week e o Temple of Worten Game Ring no Worten Game City. Para a Galp criou o Atlantic Meeting, evento para parceiros internacionais da empresa, e para o Correio da Manhã o Câmara da Coragem para celebrar os 40 anos do jornal. Criou a cenografia do festival H&M Loves Music.

Desafio Global

Trabalhou com 26 novos clientes e totalizou 170 eventos realizados. Entre os principais projectos da agência estiveram a inauguração Nova SBE, Multicare 20 Anos, Renascer Carmo Wood, inauguração da Kinda Home, encontro de quadros da Altice, Despertar o Mundo – Delta Cafés, encontro BNP Paribas, Open Mag Saber Viver, Eurafrican Forum e kick off da Liga Portugal. Ocupa o quarto lugar das agências mais premiadas nos prémios BEA World.

Niu

Desenvolveu a convenção de quadros Sonae MC, a activação da Fox no Comic Con e a Sunset Summit do Turismo de Portugal na Web Summit. A Wonderland, criado pela empresa e pela Media Capital no ano anterior, terá alcançado um milhão de visitantes, sendo o maior evento de Natal do país. Organizou o evento dos 50 Anos RTP2, a festa de Natal da Oral Med e a convenção de vendas da Tranquilidade. Produziu o lançamento internacional da linha Delaktig, que incluiu um pop-up hotel na LX Factory com cinco quartos onde dormiram jornalistas, e a área Bio & Saudável da Festa da Comida do Continente. No último NOS Alive assumiu os espaços da Sagres, Santa Casa, Sociedade Ponto Verde e Rádio Comercial.

Marca do ano

Continente

Foi o quarto anunciante que mais investiu em publicidade em 2018, segundo o ranking MediaMonitor (preços de tabela). Continua a ser a marca a liderar o tracking genérico recordação publicitária da Marktest (2018) e aposta no grande evento gratuito Festival Comida, que este ano contou com a presença de meio milhão de pessoas no Parque da Cidade, no Porto. Investe em formatos e conceitos inovadores, como é o caso do programa de televisão À Roda da Alimentação, até ao mais recente selo Continente Food Lab para produtos diferenciadores e de nicho que serão lançados a título experimental em duas lojas-piloto.

Ikea

Com cinco lojas em território nacional, o Ikea apresenta em Portugal o mais elevado índice de top of mind dos mercados internacionais (71 por cento). Mesmo sendo uma área onde é difícil identificar grandes players concorrentes, a marca não tem parado de inovar. Mudou a assinatura para se focar na ideia de que “não há casa como a nossa”, criou em Sintra uma loja cashless temporária, abriu um serviço pago de consultoria de design de interiores, a par de tutoriais gratuitos de decoração. Estreou o programa de branded content na SIC #EuQueroArrumar. Lisboa foi ainda o palco para o lançamento internacional da linha Delaktig, que incluiu a criação de um hotel temporário na LX Factory.

Lidl

Há uns anos seria impensável imaginar o Lidl como uma das marcas em destaque em festivais de criatividade. Foi o que aconteceu este ano no Clube de Criativos, ao receber o grande prémio. A par disso, a marca conseguiu chegar ao segundo posto das marcas no tracking genérico recordação publicitária da Marktest (2018) tendo à frente apenas o Continente. Além da renovação das lojas e da abertura em locais estratégicos, como as estações de comboio de Lisboa ou junto ao Ikea de Loures, a insígnia tem implementado várias medidas na área da sustentabilidade ou do combate ao plástico.

Worten

Está na oitava posição do ranking Marktest da recordação publicitária (2018). Tem alargado a área de actuação para além dos produtos electrónicos ou electrodomésticos. Lançou o Worten Kitchen Club, projecto dirigido a fãs de gastronomia, e abriu um showroom de cozinhas para reforçar a presença nesta área. A sua plataforma de e-commerce ultrapassa em muito a oferta disponível em loja, entrando em categorias como saúde, puericultura, viagens ou decoração. Na área dos videojogos, estreou em Lisboa o conceito Worten Game City, evento de gaming com entrada paga. Tem estado a renovar a comunicação das várias marcas póprias.

Zippy

A marca de roupa, calçado e puericultura para bebés e crianças foi fundada em 1996 e está agora em mais de 40 países. Este ano a marca avançou com a primeira campanha global, filmada em Londres. Além de ser um pretexto para celebrar o Dia Mundial da Criança, constituiu o lançamento global da assinatura da marca We Go Together. A campanha tem por base a letra da música Lean on Me, de Bill Withers, protagonizada por 49 crianças de várias partes do mundo cujos nomes ou apelidos reais compõem a letra da canção original ao longo do spot. A Zippy lançou a Happy, “a primeira colecção ungendered” (sem género) da marca.

Canal Generalista Canal de Informação Canal de Entretenimento Canais de Desporto Canal Infantil Produtora de Televisão Plataforma de streaming OTT Rádio Informação Generalista Newsmagazines Título de Informação Económica Título Feminino Título Masculino Título Desportivo Título de Automóveis Título de Sociedade Título de Televisão Título de Lazer & Lifestyle Lançamento
Canal Generalista

RTP1

Na área da ficção e entretenimento mantém a aposta consistente em séries de produção nacional como Circo Paraíso, Teorias da Conspiração ou 3 Mulheres, série produzida pela David & Golias, que retrata a intervenção cultural e cívica da escritora Natália Correia, da editora Snu Abecassis e da jornalista Vera Lagoa (pseudónimo de Maria Armanda Falcão) e que esteve nomeada nos Magnolia Awards, integrados no Festival de Televisão de Xangai, na categoria de Best Foreign TV Series/Serial, disputando o prémio com produções da Tailândia, Alemanha, Espanha e Polónia. Entre Julho do ano passado e Julho de 2019 manteve o share de audiência de 12,1 por cento. Transmitiu em directo a primeira edição dos Prémios Play.

SIC

A SIC foi o canal mais visto da televisão portuguesa no primeiro semestre deste ano, assumindo a liderança das audiências pela primeira vez após 14 anos com a estação de Queluz na primeira posição. A viragem começou em Janeiro com a estreia de Cristina Ferreira na antena do canal da Impresa, com O Programa da Cristina a dar à SIC a liderança das manhãs durante a semana. A aposta na transferência da apresentadora da TVI para a estação de Paço de Arcos revelou-se decisiva com a sua presença em antena a estender-se ao fim-de-semana e, apoiada por uma reformulação dos conteúdos na grelha de programação da estação que incluiu um novo programa de João Baião ao sábado, reality shows como Quem Quer Casar com o Agricultor e Casados à Primeira Vista ou a série Golpe de Sorte (que tem liderado no prime time), alavancou a SIC para a liderança no total do mês a partir de Fevereiro. Resultado que tem mantido desde então, registando no acumulado do ano um share de 21.4 por cento, mais 2.6 pontos percentuais quando comparado com o período homólogo e 1.8 pontos percentuais acima da TVI. Entre Julho do ano passado e Julho de 2019 regista um share de audiência de 17,7 por cento, que comparam com 16,8 por cento em igual período do ano anterior.

TVI

Apesar de ter perdido a liderança para a SIC neste primeiro semestre de 2019, a estação de Queluz é o segundo canal mais visto da televisão portuguesa e, no período em análise (Julho de 2018 ao final de Julho de 2019), ainda regista um share de audiência de 18 por cento, três décimas acima da SIC. A estação mantém a aposta na ficção nacional, com destaque para novelas como Valor da Vida, a disputar a liderança no prime time, ou Ouro Verde, que no passado mês de Novembro conquistou o Emmy para Melhor Telenovela nos International Emmy Awards 2018. No futebol, a TVI conseguiu um dos seus grandes trunfos ao garantir em Agosto de 2018, numa parceria com a Eleven Sports que continuará válida para a época que agora arranca, os direitos de transmissão em sinal aberto da Liga dos Campeões. Em contra-ciclo com as audiências em antena, no digital tem vindo a crescer, tendo já este ano alcançado o estatuto de marca de media com maior alcance no digital, com um um reach próximo dos 2,7 milhões de indivíduos.

Canal de Informação

CMTV

O canal da Cofina continua a distanciar-se da concorrência. Entre Julho de 2018 e Julho deste ano obteve um share médio de 3,8 por cento, mais 0,9 pontos do que no período homólogo de 2017-2018. Ainda testou uma telenovela nacional em prime-time, que não teve receptividade em termos de audiências, levando o canal a apostar na informação em directo e nos debates sobre futebol.

RTP3

Na TDT o canal de notícias da estação pública registou 1 ponto de share, a que se juntam os 0,7 por cento no cabo. Com um total de 1,7 por cento de share, a RTP3 consegue ficar à frente da RTP2 que se situou no período em análise nos 1,5 por cento de share.

SIC Notícias

A estação de notícias da SIC registou um share médio de 1,8 por cento, o que o coloca na segunda posição dos canais de informação mais vistos.

TVI24

Encontra-se na terceira posição, ex-aequo com a RTP3, com um share de 1,7 por cento. Sinal de que a disputa entre os canais de notícias dos principais operadores é renhida.

Canal de Entretenimento

Globo

Foi um ano de crescimento para a estação brasileira, obtendo no período em análise um share de 2,7 por cento, quando no período homólogo de 2017-2018 ficava nos 1,9 por cento. Isolou-se na liderança do segmento dos canais de entretenimento.

Hollywood

O canal de cinema da Dreamia conseguiu um share de 1,8 por cento, destacando-se entre os canais de filmes.

Fox

É o canal de séries líder, com um share de 1,5 por cento, integrando um grupo que se destaca pela forma como comunica para o grande público, como atestam os prémios conquistados dentro e fora de portas, mas também para o mercado publicitário.

Canais de Desporto

Sport TV

O canal Sport TV+ ocupa o oitavo posto no ranking com um share médio de 1 por cento. O serviço premium tem cinco canais Sport TV, a que se juntou no último ano a distribuição da NBA TV. Como principais argumentos para os subscritores apresenta os direitos da primeira liga portuguesa, excepto os jogos do Benfica em casa, a Taça de Portugal, a Taça da Liga e as ligas inglesa e italiana. Comprou a totalidade dos direitos para o Euro 2020 incluindo, pela primeira vez na história da estação, os direitos de transmissão em sinal aberto.

Eleven Sports

Os dois canais da Eleven Sports arrancaram na plataforma Nowo no Verão do ano passado, tendo como trunfos a Liga dos Campeões e a Liga Espanhola. Ao longo dos meses foi anunciando novas competições, tendo só chegado à Meo, NOS e Vodafone em Fevereiro deste ano. Antes disso, até transmitiu jogos via Facebook para se dar a conhecer. Passou a incluir no pacote de subscrição um terceiro canal dedicado ao desporto motorizado (incluindo a Fórmula 1) e um quarto para outras modalidades. Em Abril deste ano a Eleven Sports anunciou ter alcançado a fasquia dos 100 mil subscrições activas, efectuadas através da box das operadoras.

Canal Infantil

Cartoon Network

Ocupa a segunda posição no segmento dos canais infantis na Pay TV com um share de 1,2 por cento, conseguindo ultrapassar o Panda que caiu para o terceiro posto.

Disney Channel

Lidera o segmento dos canais infantis com um share de 1,9 por cento.

Panda

Passou para o terceiro posto dos canais do segmento, com uma audiência de 1 por cento. Continua a apostar no festival Panda em várias geografias do país e na produção nacional.

Produtora de Televisão

Coral Europa

A Coral é a produtora por detrás daquele que será o formato com maior quota de responsabilidade sobre a viragem na guerra das audiências a favor da SIC neste primeiro semestre de 2019: O Programa da Cristina. A transferência da apresentadora da TVI para a SIC foi a contratação do ano em televisão e o formato que apresenta nas manhãs da estação de Paço de Arcos, produzido pela Coral, lidera as audiências de forma destacada desde o primeiro dia, tendo provocado um efeito de arrastamento que alavancou a performance de outros programas na grelha do canal, levando para a SIC uma liderança que estava nas mãos da estação de Queluz há 14 anos. Além de O Programa da Cristina, a Coral assina ainda a produção de outra das apostas de sucesso da estação neste regresso à liderança, a série/novela Golpe de Sorte, protagonizada por Maria João Abreu.

Endemol Shine Group

A joint-venture que junta as produtoras Endemol e Shine tem sido responsável pela produção de vários formatos internacionais para o mercado português, trabalhando de forma consistente para os três canais generalistas da televisão nacional. Entre esses formatos está um dos programas que contribuiu para a liderança alcançada pela SIC: Casados à Primeira Vista, apresentado por Diana Chaves. Ao longo do último ano produziu ainda formatos como Carro do Amor e Lip Sync Battle Portugal (SIC), The Voice, Cosido à Mão e Missão 100% Português (RTP) ou Começar do Zero, Casa dos Segredos, Dança com as Estrelas e A Tua Cara Não Me É Estranha (TVI). Para a estação de Queluz está já prevista a produção da terceira temporada de Pesadelo na Cozinha, formato protagonizado pelo chef Ljubomir Stanisic cujas primeiras temporadas fizeram correr muita tinta e tantas vezes deram a liderança no prime time de domingo à TVI.

Freemantle

Com trabalho produzido para os três canais generalistas da televisão nacional, bem como para canais do universo Pay TV, a Freemantle tem sido também responsável pela produção de vários formatos internacionais para o mercado português. Este ano, o principal destaque da Fremantle vai para a produção do formato Quem Quer Namorar com o Agricultor, um dos programas que tem contribuído para a consolidação da liderança conquistada pela SIC, sendo o reality show com melhor desempenho nas audiências ao longo deste ano, surgindo várias vezes na liderança na sua faixa horária.

Plural Entertainment

A Plural Entertainment é a produtora responsável pela ficção da TVI, tendo no período em análise assegurado a produção de quatro novelas da estação de Queluz (Valor da Vida, A Teia, Prisioneira e Amar Depois de Amar) e arrancando no passado mês de Junho a produção de Vida Louca, que será a próxima aposta do canal. É na ficção nacional que a Plural alcança o seu ponto alto do ano ao vencer, com Ouro Verde, o Emmy para Melhor Telenovela nos International Emmy Awards 2018.

SP Televisão

Com excepção da série Golpe de Sorte, a ficção da SIC continua a ter como principal responsável a SP Televisão, produtora por detrás de três novelas em exibição na estação de Paço de Arcos durante o último ano: Paixão (terminou a emissão em Setembro de 2018), Vidas Opostas (exibida até Maio de 2019) e Alma e Coração (actualmente em emissão). Tem ainda em produção mais duas novelas para a SIC, Nazaré e Terra Brava, que são as novas apostas do prime time da estação na nova temporada. A produção de ficção para a SIC tem valido distinções a nível internacional, com destaque para o ouro conquistado por Alma e Coração na categoria de Telenovela no World Media Festival, além da nomeação como Melhor Série Dramática nos Seoul International Drama Awards e na categoria Serials, Soaps & Telenovelas dos The Rockie Awards. Nesta categoria está ainda nomeada a novela Vidas Opostas, que conquistou um bronze na edição deste ano dos New York Festivals International TV & Film Awards. A par das produções para a SIC, a SP Televisão tem trabalhado também para a RTP e canais Pay TV com a produção de formatos originais como Brainstorm, Notícias do Meu País, Caderneta do Panda, Biggs Bosses (redes sociais), Código Panda ou Pandamania, tendo sido ainda responsável pela produção da primeira edição dos Prémios Play, emitidos pela estação pública. Entre as produções para a RTP, a SP viu este ano a série Bem-vindos a Beirais ser vendida ao canal TV3 da Letónia e encontra-se neste momento a produzir a quinta temporada da série Conta-me Como Foi.

Plataforma de streaming OTT

HBO

O lançamento da HBO, em Fevereiro, mexeu com o mercado, uma vez que a Vodafone foi a única operadora a disponibilizar o serviço de streaming através da box. A Guerra dos Tronos, True Detective, Westworld e Big Little Lies eram os argumentos iniciais para a subscrição. Seguiram-se séries como Chernobyl ou Euphoria. A plataforma abriu um escritório em Lisboa. Os conteúdos nacionais são praticamente impossíveis de encontrar, mas pelo meio surgem As Mil e Uma Noites de Miguel Gomes.

Netflix

Séries como Stranger Things, O Mecanismo ou Black Mirror tornaram-se populares também em Portugal. O marketing está cada vez mais apurado, como se viu com a promoção da terceira temporada de A Casa de Papel, que, aliás, foi a produção que teve a melhor audiência de sempre no Netflix em Portugal na sua primeira semana de exibição. O vídeo em que a personagem Raquel Murillo recebe um telefonema do Professor de Portugal, numa alusão ao Presidente da República, obteve mais de um milhão de visualizações no Facebook. Continua a não dar sinais de investimento em produção nacional, ao contrário do que se assiste em mercados equivalentes.

RTP Play

A plataforma da estação pública adoptou um interface mais próximo do Netflix em que, além das estações de televisão e de rádios (sinal aberto, FM e digitais), organiza os conteúdos por áreas, nomeadamente séries, podcasts, recomendados, filmes, documentários, humor e talk-shows, concertos ou desporto. Continua a ser o palco para a ante-estreia de séries nacionais, que depois passam em sinal aberto, e para a divulgação exclusiva de séries mais experimentais e dirigidas a um público mais jovem, como as recentes Frágil, Bad & Breakfast ou #Sóqnão.

Rádio

Comercial

Tem liderado o Bareme Rádio ao longo do último ano. A Rádio Comercial mantém o título de estação mais ouvida do país com uma audiência acumulada de véspera (AAV) na terceira vaga do Bareme Rádio da Marktest, com 18,5 por cento - uma décima acima da RFM e mais cinco décimas relativamente à vaga homóloga em 2018. Na segunda vaga atingiu o máximo histório de audiência de uma rádio em Portugal: 18,9 por cento. A equipa das manhãs tem andado a percorrer o país de norte a sul, com salas lotadas, para protagonizar os concertos 40 Anos Rádio Comercial.

M80

É a terceira estação de rádio mais ouvida em Portugal, obtendo na terceira vaga deste ano um AVV de 6,5 por cento, o que representa um crescimento de 0,9 pontos percentuais em comparação com a vaga homóloga (5,6 por cento). A par da emissão regular, disponibiliza no seu site 11 rádios online.

Renascença

Ocupa a quarta posição ao registar uma AAV de 5,9 por cento na terceira vaga do ano do Bareme Rádio, o que significa uma subida de um ponto percentual face à vaga homóloga de 2018. Destaque para a nova dinâmica do programa matinal que em Fevereiro passou a As Três da Manhã, com Carla Rocha, Ana Galvão e Joana Marques.

RFM

A AAV da RFM situa-se, na vaga mais recente do Bareme Rádio nos 18,4 por cento (+1,1 ponto percentual na comparação com a vaga homóloga no último ano). O festival RFM Somni deste ano recebeu 130 mil pessoas e foi alargado à cidade da Figueira da Foz com espectáculos gratuitos. Segundo dados da MediaMonitor, a RFM foi a quarta marca com maior retorno mediático das suas estratégicas de patrocínio a festivais de música, conseguindo uma presença avaliada em 5,1 milhões de euros, no primeiro semestre.

Informação Generalista

Correio da Manhã

É o jornal líder em circulação impressa paga e em audiências da edição em papel. Vendeu em média 73.337 exemplares diários entre Janeiro e Abril, últimos dados conhecidos da APCT, a que soma 1.550 de circulação digital paga. Mantém o estatuto de jornal mais lido do país com uma audiência de 10,7 por cento, segundo dados da primeira vaga de 2019 do Bareme Imprensa. No digital, conta com um reach multiplataforma próximo dos 2,3 milhões de indivíduos, ocupando no netAudience (Junho) a terceira posição entre os jornais e a quarta no ranking geral.

Expresso

O semanário da Impresa é o título generalista português com maior circulação paga total: 83.480. De Janeiro a Abril, últimos dados conhecidos (APCT), registou uma média de circulação impressa paga de 57.636 exemplares, número a que se juntam 25.844 de circulação digital paga, indicador onde o Expresso é líder. É o terceiro generalista em audiências, com 4,8 por cento (primeira vaga do Bareme Imprensa) e nas audiências digitais ocupa a quarta posição entre os generalistas, com um reach multiplataforma a rondar 1,9 milhões de indivíduos (netAudience de Junho).

Jornal de Notícias

É o segundo diário generalista em circulação impressa paga, audiências e reach digital. De Janeiro a Abril, últimos dados conhecidos (APCT), registou uma circulação impressa paga de 40.003 exemplares, com uma circulação digital paga de 4.841. É o segundo generalista em audiências, com 9,5 por cento na primeira vaga deste ano do Bareme Imprensa. Em alcance digital, surge no netAudience de Junho à frente do Correio da Manhã, com um reach multiplataforma de 2,5 milhões de indivíduos.

Observador

No ano em que assinala cinco anos de vida, o nativo digital deu mais um passo na consolidação do projecto enquanto marca de informação em Portugal ao investir no lançamento da Rádio Observador, estação com emissão online e uma frequência FM em Lisboa. No que diz respeito ao site, sem números oficiais ao nível do reach digital já que o Observador deixou de ser auditado pelos rankings da Marktest, Rudolf Gruner tem assegurado por diversas vezes que, pouco mais de um ano após ter lançado o programa de assinaturas, terá um volume de subscritores que o coloca no terceiro lugar em assinantes digitais, atrás de Expresso e Público.

Público

O diário da Sonaecom é o único jornal generalista a registar crescimento nas vendas em banca (+9 por cento), sendo também o único a alcançar um saldo positivo na circulação paga total, que se situou nos 30.137 entre Janeiro e Abril, um crescimento de 3,8 por cento face ao período homólogo em 2018. O Público regista uma média de circulação impressa paga de 17.025, surgindo na segunda posição no digital com 13.112 de circulação digital paga. É o quarto título em audiências, com 4,7 por cento, mantendo-se a apenas uma décima do Expresso (primeira vaga do Bareme Imprensa). No digital surge no mês de Junho pela primeira vez na liderança do ranking netAudience, com um reach multiplataforma próximo dos 2,7 milhões de indivíduos.

Newsmagazines

Sábado

Com uma média de 36.893 exemplares vendidos por edição entre os meses de Janeiro e Abril, a newsmagazine da Cofina ultrapassou a Visão em circulação impressa paga e assumiu a liderança do segmento. É igualmente líder no digital com 2.005 de circulação digital paga, registando um alcance online de 823 mil indivíduos, segundo dados de Junho do netAudience. No Bareme Imprensa apresenta uma audiência de 2,7 por cento (primeira vaga de 2019).

Visão

Apesar de ter perdido a liderança em vendas, a newsmagazine editada pela Trust in News continua a ser a publicação mais lida do segmento, líderando o Bareme Imprensa com uma audiência de 3,5 por cento (primeira vaga de 2019). Na APCT, segue de perto a publicação da Cofina, apresentando uma média de circulação impressa paga de 36.693 exemplares, a que se somam 1.022 de circulação digital paga. O site da Visão deixou de ser auditado pelo netAudience.

Título de Informação Económica

Dinheiro Vivo

É a marca de informação económica com maior alcance no digital ao registar, segundo dados de Junho do netAudience da Marktest, um reach multiplataforma de aproximadamente 991 mil indivíduos.

Eco

Lançou o EcoSeguros, dedicado ao sector dos seguros, e o Ecoolhunter, sobre tendências e marcas, que assim se juntam ao grupo de marcas de media sob tutela do Eco, como a Advocatus (advocacia e justuça) e a Pessoas (recursos humanos). Criou uma newsletter semanal com conteúdos pagos. O jornal digital de economia não é auditado pelo netAudience.

Jornal de Negócios

Voltou a ser o jornal mais lido no segmento de informação económica, com uma audiência de 1,8 por cento no Bareme Imprensa (primeira vaga de 2019). O diário da Cofina apresenta uma circulação impressa paga de 4.103 exemplares (Janeiro a Abril), liderando no digital com uma circulação digital paga de 5.578 (+20 por cento face ao período homólogo). É a segunda marca de informação económica em alcance online, com um reach multiplataforma próximo dos 986 mil indivíduos.

O Jornal Económico

Após ter liderado no último ano, O Jornal Económico segue de perto o Jornal de Negócios, registando uma audiência de 1,7 por cento na mais recente vaga do Bareme Imprensa. Na APCT, apresenta uma média de circulação impressa paga de 2.296 exemplares (Janeiro a Abril), quase duplicando as vendas registadas no período homólogo em 2018. Um crescimento que fica a dever-se a uma subida de dois por cento nas vendas em banca, de 37 por cento nas assinaturas em papel mas, acima de tudo, às vendas em bloco, que dispararam 297 por cento. No online, viu a circulação digital paga mais do que duplicar para os 4.317 (+126 por cento).

Título Feminino

Activa

Ocupa o terceiro lugar em audiência entre as publicações do segmento, com 1,5 por cento. A revista feminina agora editada pela Trust in News apresenta uma média de circulação impressa paga de 18.046 exemplares. Deixou de ser auditada pelo netAudience.

Cristina

É a revista feminina mais lida do país, liderando destacada o Bareme Imprensa com uma audiência de 2,8 por cento (primeira vaga de 2019), apesar surgir apenas na terceira posição em termos de vendas. A publicação, que beneficia da exposição mediática da apresentadora de televisão Cristina Ferreira, apresenta uma média de circulação impressa paga de 22.757 exemplares, a que se somam 1.241 de circulação digital paga.

Máxima

A publicação feminina do grupo Cofina trocou de posição em vendas com a revista Cristina, apresentando uma média de circulação impressa paga de 22.855 exemplares. Números que colocam a Máxima no segundo lugar. No Bareme Imprensa é a quarta revista mais lida, com uma audiência de 1,4 por cento. A circulação digital paga está nos 1.045 e conta com um alcance online próximo dos 281 mil indivíduos (netAudience de Junho).

Saber Viver

É o segundo título do segmento em termos de audiência, que subiu de 1,7 por cento na primeira vaga de 2018 para os 2 por cento na primeira vaga deste ano do Bareme Imprensa – foi a única publicação do segmento a registar um crescimento na audiência. Segundo a APCT (Janeiro a Abril), a circulação impressa paga situa-se, em média, nos 21.485 exemplares. O site não é auditado pelo netAudience.

Título Masculino

GQ

Capas como a da edição de Março de 2019, uma tomada de posição da revista contra a violência doméstica protagonizada por Inês Castel-Branco com a palavra “cobarde” escrita na língua e sob a frase “Se agride uma mulher não compre a GQ”, fazem da publicação editada em Portugal pela Lighthouse uma lufada de ar fresco num segmento que atravessou períodos conturbados no mercado português e do qual restam nas bancas poucos títulos. Têm sido várias as capas da GQ Portugal a merecer destaque além-fronteiras, sendo adaptadas às edições da GQ noutros mercados onde a publicação é editada. Na mais recente vaga do Bareme Imprensa surge com uma audiência de 0,4 por cento. O título não é auditado pela APCT nem pelo netAudience da Marktest.

Men’s Health

O título detido pelo Global Media Group lidera o segmento de forma destacada e regista um crescimento assinalável da sua audiência. Surge com 1,5 por cento na primeira vaga de 2019 do Bareme Imprensa, valor que traduz um crescimento sustentado ao comparar com os 0,9 por cento que apresentava na vaga homóloga em 2018 e com os 1,3 por cento alcançados na segunda vaga do último ano. Apresenta, de acordo com os últimos dados da APCT (Janeiro a Abril), um média de circulação impressa paga de 7.485 exemplares e conta com um alcance digital de cerca de 166 mil pessoas.

Título Desportivo

A Bola

Reforça o estatuto de desportivo mais lido do país ao crescer dos 7,7 por cento de audiência na primeira vaga do Bareme Imprensa do último ano para os 8,2 por cento na primeira vaga de 2019. O jornal A Bola não é auditado pela APCT nem pelo netAudience.

O Jogo

O jornal desportivo do Global Media Group alcançou uma audiência de 6 por cento na primeira vaga do Bareme Imprensa em 2019, reforçando a audiência registada na vaga homóloga, altura em que estava nos 5,6 por cento. Apresenta uma média de circulação impressa paga de 14.136 exemplares (Janeiro a Abril), a que se somam 2.529 de circulação digital paga. No netAudience, registou em Junho um alcance digital de 1,3 milhões de indivíduos.

Record

É o título desportivo líder em vendas e em alcance digital, de acordo com a APCT e netAudience, que não auditam o jornal A Bola. Entre Janeiro e Abril regista uma média de circulação impressa paga de 28.794 exemplares, enquanto a circulação digital paga está nos 1.969. Tem um reach multiplataforma de 1,45 milhões de indivíduos. No Bareme Imprensa (primeira vaga de 2019), surge como o segundo título mais lido do segmento, com uma audiência de 7,8 por cento (tinha 7,4 por cento na vaga homóloga).

Título de Automóveis

Motor 24

Com um reach multiplataforma de aproximadamente 240 mil indivíduos, o projecto digital do Global Media Group surge no netAudience (dados de Junho) como líder de em audiência digital.

Turbo

É a publicação de automóveis mais lida, surgindo como líder do segmento no Bareme Imprensa (primeira vaga de 2019) com uma audência de 1,5 por cento. Nas vendas, de acordo com os dados mais recentes da APCT (Janeiro a Abril), regista uma média de circulação impressa paga de 8.058 exemplares.

Título de Sociedade

Caras

É a segunda publicação mais vendida do segmento e também a segunda mais lida. Apresenta uma média de circulação impressa paga de 23.636 exemplares, segundo dados da APCT (Janeiro a Abril). No Bareme Imprensa regista uma audiência de 2 por cento. A revista agora editada pela Trust in News deixou de ter circulação digital paga e já não é auditada pelo netAudience.

Flash

Com um reach multiplataforma a rondar os 1,4 milhões de indivíduos (dados netAudience de Junho), o título da Cofina, desde 2017 exclusivamente online, é o líder do segmento em audiência digital.

Nova Gente

A revista da Impala mantém o estatuto de líder destacada em vendas no segmento, com uma média de circulação impressa paga de 55.539 exemplares. No Bareme Imprensa, onde dividia a liderança com a Caras na primeira vaga de 2018 com uma audiência de 2,8 por cento, mantém nesta primeira vaga de 2019 os mesmos valores, o que lhe permite assumir-se agora como líder isolada como a publicação de sociedade mais lida no país. No online, de acordo com dados do netAudience de Junho, tem um alcance de 951 mil indivíduos.

Título de Televisão

TV7 Dias

É a líder destacada entre as revistas de televisão, tanto em vendas como ao nível da audiência. A publicação da Impala apresenta uma média de circulação impressa paga de 64.333 exemplares, segundo os dados mais recentes da APCT (Janeiro a Abril). No Bareme Imprensa lidera o segmento com uma audiência de 2,7 por cento. No netAudience (dados de Junho) regista um alcance de 277 mil indivíduos.

TV Guia

Com uma média de circulação impressa paga de 40.834 exemplares (Janeiro a Abril de 2019), a TV Guia é a segunda revista de televisão mais vendida. A estes números soma 1.017 de circulação digital paga. No Bareme Imprensa é agora o terceiro título do segmento com uma audiência de 2,1 por cento. Não tem site.

TV Mais

A revista de televisão agora editada pela Trust in News viu a sua audiência subir dos dois para os 2,2 por cento entre as primeiras vagas de 2018 e 2019, ultrapassando a TV Guia e assumindo a segunda posição entre os títulos do segmento no Bareme Imprensa. Na APCT surge como a terceira publicação em vendas, com uma média de circulação impressa paga de 28.146 exemplares. A TV Mais deixou de ser auditada pelo netAudience.

Título de Lazer & Lifestyle

NiT

A publicação digital de lifestyle detida pela MadMen lidera o segmento de forma isolada nos rankings netAudience. Os dados mais recentes (Junho), colocam a NiT na oitava posição com um reach multiplataforma a rondar 1,8 milhões de indivíduos, sendo o único título de lazer e lifestyle a alcançar o top 10 dos sites com maior alcance digital em Portugal e surgindo à frente de títulos como Diário de Notícias, Record ou O Jogo. A marca, que inclui ainda a rádio online NiTfm, alargou no passado mês de Setembro o conceito de imprensa regional de lifestyle, inaugurado com a a New in Setúbal, a mais um município com o lançamento da New in Oeiras.

Time Out

Num segmento que tem vindo a ganhar cada vez mais destaque, sendo aposta quer para novos projectos quer para publicações de outros segmentos mas que piscam o olho a esta tendência, a Time Out foi uma das primeiras publicações de lifestyle em Portugal e continua a ser a única publicada em papel de forma regular. Além da edição de Lisboa, que esteve na génese do projecto, a marca conta com uma edição mensal no Porto e tem apostado no lançamento de edições especiais como a Time Out Miúdos, Time Out Açores, Guia Time Out das Melhores Praias de Portugal ou o roteiro Time Out Estrada Nacional 2. O Time Out Market, que materializou o conceito em torno do lifestyle num espaço físico em Lisboa, foi entretanto alargado a mais países.

Lançamento

Rádio Observador

Arrancou online e com uma frequência em Lisboa e promete chegar em breve ao Porto. Desde o lançamento da Correio da Manhã Rádio que nenhum meio de informação em papel ou (agora) digital avançava com extensão de marca para este suporte. A rádio Observador posiciona-se como uma estação de informação e de palavra com noticiários de 30 em 30 minutos, 24 horas por dia. Na equipa e com presença diária ou semanal em antena encontram-se nomes como Maria João Simões, Carla Jorge de Carvalho, Paulo Ferreira, Judite França, José Manuel Fernandes, Miguel Pinheiro, Filomena Martins, João Alexandre, Eduardo Sá, Alberto Gonçalves, Laurinda Alves, Rui Ramos e João Miguel Tavares.

Polígrafo

Nasceu em Novembro como o primeiro jornal digital dedicado à confirmação de factos, tendo como accionistas Fernando Esteves, a produtora audiovisual B. Creative Media e o Emerald Group, consultora financeira com sede no Dubai. Passou a ter um espaço próprio no Jornal da Noite da SIC e na SIC Notícias e integrou a rede de parceiros do Facebook que verificam a veracidade das notícias que circulam na rede social. Ficou com o grande prémio nos Prémios M&P Criatividade - Inovação em Media.

A Nossa Prima

Numa fase em que são raros os exemplos de revistas em papel com conceitos inovadores a chegar às bancas pelas mãos dos principais grupos editoriais, A Nossa Prima apresenta-se como um oásis. Trimestral e editada pela Trust In News, tem como alvo o público mais jovem e urbano, que costuma estar afastado das publicações em papel, destacando personalidades, tendências e locais para além do óbvio. O projecto gráfico, da autoria da Silvadesigners, foi distinguido nos Prémios Design M&P e no Clube de Criativos.

Personalidade de Media Personalidade de Publicidade Personalidade de Marketing
Personalidade de Media

Francisco Pedro Balsemão, Impresa

2019 está a ser um ano de viragem para a SIC, que voltou, ao fim de 14 anos, a ser a estação mais vista do país. Em Julho do último ano Francisco Pedro Balsemão promoveu Daniel Oliveira a director-geral de entretenimento da Impresa, seguindo-se em Agosto a contratação de Cristina Ferreira, que se mostrou uma aposta ganha. A junção da SIC e do Expresso no mesmo edifício e a concretização do empréstimo obrigacionista, que rendeu à SIC 51 milhões de euros, são outros dos factos incontornáveis do ano.

António Carrapatoso, Observador

No dia em que o Observador assinalou o quinto aniversário, e quando a palavra de ordem no sector dos media parece ser desinvestir e não o contrário, António Carrapatoso, presidente do conselho de administração e impulsionador do projecto, apresentou a nova aposta, a Rádio Observador. Foi assim dado mais um passo na consolidação de uma marca que se tornou uma referência no panorama dos media nacionais e que se tem pautado, em termos editoriais, comerciais e de diversificação de áreas de negócio, pela inovação.

Personalidade de Publicidade

Hugo Veiga, AKQA São Paulo

A edição deste ano do festival de Cannes passou ao lado das agências nacionais. Mas nem todos os criativos portugueses podem dizer o mesmo. A AKQA São Paulo, que tem Hugo Veiga como um dos fundadores e director criativo executivo, entrou para o restrito lote de agências a conquistar dois grandes prémios numa só edição do Cannes Lions. Uma performance que não é novidade para o criativo português. Há seis anos o projecto Retratos da Real Beleza para Dove dominou as atenção em Cannes, tendo Hugo Veiga sido o redactor mais premiado do festival de criatividade.

Pedro Pina, Google

Entrou para a Google em 2013 como global client partner responsável por uma equipa dedicada a grandes clientes. Agora é VP global client & agency solutions na Google. É também responsável pela Creative Force da Google, uma equipa interna constituída por tecnólogos criativos, especialistas de produto, estrategas e produtores de tecnologia. Lidera ainda a secção LGBTQ+ da Google na região EMEA, dando a cara pela igualdade independentemente da orientação sexual ou identidade de género, tanto na empresa como no mercado publicitário, como foi o exemplo do recente festival de Cannes.

Tomás Froes, Partners

Após a entrada da Dentsu Aegis Network no capital da agência Partners, naquele que foi considerado o negócio do ano na área da publicidade em Portugal, Tomás Froes passou a assumir o papel de CEO da agência. Além de elemento essencial na estratégia que levou a Partners do zero a maior agência criativa de capitais nacionais, Tomás Froes tem sido decisivo no acompanhamento de clientes como o Turismo de Portugal e da Federação Portuguesa de Futebol, com resultados e uma longevidade de relação que não passam despercebidos.

Personalidade de Marketing

Filipa Appleton, Lidl

Há nove anos que Filipa Appleton está no marketing do Lidl, insígnia que no ano passado ocupou o segundo posto na recordação espontânea (Marktest), tendo apenas à frente o Continente. A marca tem adoptado um discurso mais descontraído, bem-disposto e próximo dos consumidores, como são exemplos as campanhas mais recentes.

Inês Drummond Andrade, Worten

A estrutura ibérica da Worten foi reformulada com o objectivo de unificar o marketing em Portugal e Espanha, com Inês Drummond Borges a acumular funções como directora de marketing nos dois mercados. Directora de marketing da insígnia da Sonae no mercado português há três anos, a profissional tinha também responsabilidades no mercado espanhol, que evoluíram para um cargo único que agrega o marketing a nível ibérico. Com coordenação de Inês Drummond Borges todo o marketing na Worten é agora pensado e planeado de um ponto de vista ibérico.

Manuela Botelho, APAN

O trabalho da secretária-geral da APAN (Associação Portuguesa de Anunciantes) tem sido determinante para que as marcas façam valer os seus interesses. Exemplo disso foi a tomada de posição pública de contestar o desfecho do concurso da Câmara Municipal de Lisboa (CML), que entregava a concessão do espaço publicitário exterior à JCDecaux, pedindo a intervenção da Autoridade da Concorrência. Esta mesma entidade decidiu pôr em causa o documento Agência Certa – Guia de Boas Práticas Para Concursos de Agências de Publicidade e Comunicação assinado há dez anos pela APAN e APAP e que constitui um passo na auto-regulação exigido durante anos e anos pelo mercado. A associação dos anunciantes foi decisiva para manter a CAEM como entidade responsável pelo novo sistema de audiências de televisão, alcançando o consenso com os canais generalistas. A APAN foi parceira para a realização da Global Marketer Week, da World Federation of Advertisers, que trouxe a Lisboa os responsáveis por 90 por cento do investimento publicitário.

Edições anteriores

Vencedores dos Prémios Meios & Publicidade 2017

MARKETING E PUBLICIDADE

  • Empresa de Publicidade Out-of-Home: JCDecaux
  • Agência de Design: Solid Dogma
  • Agência de Comunicação: M Public Relations
  • Agência de Eventos e Activação: Desafio Global
  • Produtora de Som: Índigo
  • Produtora de Publicidade: Garage
  • Agência de Meios: Wavemaker
  • Agência Criativa: Partners
  • Marca do Ano: Turismo de Portugal

MEDIA

  • Título de Automóveis: Turbo
  • Título Desportivo: Record
  • Título de Televisão: TV Guia
  • Título de Sociedade: Caras
  • Título Feminino: Máxima
  • Título Masculino: GQ
  • Newsmagazine: Visão
  • Título de Informação Económica: Jornal de Negócios
  • Título Generalista: Observador
  • Rádio: Comercial
  • Canal Infantil: Disney Channel
  • Canal de Entretenimento: Fox
  • Canal de Informação: SIC Notícias
  • Produtora de Televisão: Plural Entertainment
  • Canal Generalista: SIC

PERSONALIDADES DO ANO

  • Personalidade de Marketing: Lídia Monteiro (Turismo de Portugal)
  • Personalidade Publicidade: Miguel Barros (Havas Creative)
  • Personalidades de Media: Gonçalo Reis e Nuno Artur Silva

Veja a matéria completa no portal Meios & Publicidade ou confira os resultados das edições anteriores.


Main Sponsor
Premium Sponsors
Sponsors
Parceiros